TUBERCULOSE SOB CONTROLE
Publicado em: Brasília, 18 de março de 2013

Um instrumento desenvolvido para as sondas espaciais Beagle 2 e Rosetta está sendo adaptado para servir como uma ferramenta barata, rápida e precisa para a detecção da tuberculose. O equipamento é um espectrômetro de massa, capaz de detectar o bacilo de Koch, causador da doença. Diagnóstico da tuberculose A tuberculose é uma das típicas doenças do terceiro mundo, sendo responsável pela morte de mais de dois milhões de pessoas a cada ano. Seu diagnóstico hoje é baseado, principalmente, em uma técnica chamada baciloscopia, que analisa visualmente uma amostra da secreção nasofaríngea do paciente. “A baciloscopia não é uma forma muito precisa de diagnosticar a tuberculose e somente detecta um terço de todos os casos positivos. Isso significa que sete entre dez pacientes irão efetivamente ter que piorar antes que possam ser diagnosticados e tratados. Nós necessitamos de uma solução para esse problema,” diz o Dr. Geraint Morgan, da Open University, na Inglaterra. Espectrômetro de massa O Dr. Morgan e seus colegas Colin Pillinger e Liz Corbett acreditam que a solução pode estar em um equipamento do tamanho de uma caixa de sapatos, conhecido como Ptolomeu e desenvolvido para detectar sinais de vida em Marte (Beagle 2) e no cometa Churyumov-Gerasimenko, onde a sonda espacial deverá pousar em 2014. Ptolomeu é um espectrômetro de massa com cromatografia gasosa (GC-MS: Gas Chromatograph – Mass Spectrometer) e foi desenvolvido para analisar a composição química de amostras de rochas. O equipamento faz isso identificando uma espécie de assinatura única que cada composto químico possui. Impressão digital química“O bacilo que causa a tuberculose tem um revestimento especial, e é o padrão químico desse revestimento que o espectrômetro de massa estará procurando,” explica o Dr. Morgan. Como foi feito para ser enviado ao espaço, o equipamento é totalmente automatizado, não exigindo técnicos de laboratório especializados para sua operação. Isso significa que a tecnologia poderá estar disponível nos locais onde ela é mais necessária, ou seja, nos países mais pobres.