TORRE MÓVEL DE INTEGRAÇÃO DO CLA COMEÇARÁ A SER TESTADA EM OUTUBRO
Publicado em: Brasília, 26 de setembro de 2011

Brasília, 26 de setembro de 2011 – Os testes de funcionamento da Torre Móvel de Integração (TMI) no Centro de Lançamento de Alcântara (CLA) deverão começar no próximo mês. Essa é a previsão do Consórcio Jaraguá/Lavitta, responsável pela infraestrutura da TMI. Segundo o cronograma de atividades, os próximos três meses serão decisivos para ajustes técnicos e incorporação dos sistemas finais da TMI, construída em substituição da antiga plataforma destruída em um incêndio em 2003.

A nova Torre, que vai permitir ao CLA a realização de lançamentos de grande porte, começou a ser reconstruída em 2009 e dispõe de modernos dispositivos de segurança e mais precisão nos dados tecnológicos. No estágio atual, a estrutura tecnológica TMI já foi praticamente finalizada com a implantação dos sistemas de detecção de alarme e de combate a incêndio, o sistema de pressurização e de proteção contra descargas atmosféricas. Os testes servirão também para ajustes técnicos e para dar início à instalação do sistema de automação.
As atividades da Torre Móvel de Integração, que serão iniciadas em outubro, devem se estender até o fim de dezembro ou início de janeiro de 2012. Concluída essa fase, está prevista a integração do mock-up (réplica do VLS-1), que é uma maquete em escala real com as mesmas dimensões e massas da versão de vôo, que possibilitará a realização de todas as etapas de integrações mecânicas do veículo lançador. Após esta etapa, a previsão é de que a TMI esteja pronta para realizar o primeiro voo de qualificação a partir de abril de 2012.
Tecnologia – Em julho deste ano, as instalações da TMI foram visitadas por uma comitiva de ministros e o presidente da Agência Espacial Brasileira (AEB), Marco Antônio Raupp. Na ocasião, foi considerado satisfatório estágio de modernização do CLA.
“O que temos aqui em Alcântara é o que existe de mais moderno em tecnologia, o que vai possibilitar colocar o Brasil em uma situação bastante confortável na disputa aeroespacial”, declarou na época Raupp.
Orçada em R$ 44 milhões, a Torre Móvel de Integração é considerada uma das modernas plataformas de lançamento de foguetes de grande porte do mundo. Todos os sistemas desenvolvidos tiveram consultoria de técnicos russos e foram desenvolvidos com base nos avanços tecnológicos das atividades aeroespaciais, o que permitirá ao Brasil entrar no seleto grupo de países que dominam a tecnologia aeroespacial. Além de dispor de uma plataforma de lançamento avançada, o CLA tem a melhor localização do mundo para operações aeroespaciais, permitindo mais precisão em lançamentos e economia de combustível.
A nova plataforma de lançamento do CLA tem 30 metros de altura e dimensões adequadas para lançamentos do Veículo Lançador de Satélites (VLS) e de outros modelos de foguetes de grande porte a partir de parcerias do Brasil com outros países. Em relação à segurança, a nova TMI passou por uma profunda modernização, adequada aos novos padrões de segurança no setor de tecnologia aeroespacial. Entre os aspectos da nova obra, destacam-se o planejamento e a construção da torre e túnel de escape, que é uma saída de emergência totalmente isolada e com ar pressurizado para evitar a entrada de gases, propiciando uma fuga rápida de pessoas para um local seguro e afastado da zona de risco.

Saiba mais

Torre Móvel de Integração
Investimento: R$ 44 milhões
Conclusão: início de 2012
Primeiro lançamento: primeiro semestre de 2012
Altura: 30 metros

Centro operacional

A nova Torre Móvel de Integração foi construída para substituir as instalações da antiga plataforma, destruída em um incêndio em 2003 durante os testes para o lançamento do Veículo Lançador de Satélites (VLS). O acidente matou 21 técnicos brasileiros que estavam envolvidos no projeto.