SATÉLITE GEOESTACIONÁRIO MANTERÁ O BRASIL CONECTADO DE NORTE A SUL
Publicado em: Brasília, 5 de maio de 2017

O lançamento do Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas (SGDC) na noite de quinta-feira (04.05), às 18h50, foi considerado perfeito e a operação um sucesso. Após o lançamento do satélite, o presidente Michel Temer afirmou que o SGDC ajudará o país a “democratizar” o sistema digital.

De acordo com o presidente da Agência Espacial Brasileira (AEB), José Raimundo Braga Coelho, o lançamento do satélite eleva a sensibilidade e o sentimento do povo brasileiro, que ao ter suas necessidades atendidas exigirá o fortalecimento do Programa Espacial Brasileiro.

“O desenvolvimento e o lançamento do satélite com a participação de técnicos brasileiros são fatores que irão contribuir futuramente para a construção de novos artefatos, utilizando a absorção e transferência de tecnologia adquirida no projeto SGDC, com a participação da indústria nacional”, afirmou José Raimundo Braga.

Para ele, é um ganho para o Brasil ter um satélite controlado totalmente pelo governo. “O SGDC irá assegurar a independência e a soberania das comunicações da defesa nacional. Além disso, atenderá às necessidades do povo brasileiro, com a disseminação completa da internet em todo o território nacional, principalmente em regiões onde as pessoas não têm acesso”, finalizou.

O satélite adquirido pela Telebras terá uma banda Ka, que será utilizada para comunicações estratégicas do governo e implementação do Programa Nacional de Banda Larga (PNBL), e uma banda X, que corresponde a 30% do equipamento e será de uso exclusivo das Forças Armadas. O Ministério da Defesa investiu R$ 500 milhões para utilização da banda X. O projeto todo recebeu R$ 2,7 bilhões em investimentos.

Com o lançamento do SGDC, o Brasil passará a fazer parte do seleto grupo de países que contam com seu próprio satélite geoestacionário de comunicações, reduzindo a necessidade de alugar equipamentos de empresas privadas, o que vai gerar uma economia significativa aos cofres públicos e maior segurança em suas comunicações.

Primeiro satélite estritamente operado por brasileiros, o SGDC é fruto de uma parceria entre o Ministério da Ciência Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) e o Ministério da Defesa. Com, 5,8 toneladas e 5 metros de altura, o equipamento ficará posicionado a uma distância de 36 mil quilômetros da superfície da Terra, cobrindo todo o território brasileiro e o oceano Atlântico. Ele tem uma vida útil de até 18 anos.

Coordenação de Comunicação Social – CCS