SATÉLITE GEOESTACIONÁRIO DEVE SER LANÇADO EM MARÇO DE 2017
Publicado em: Brasília, 5 de dezembro de 2016

Delegação brasileira esteve na França para vistoriar o equipamento. Segundo o secretário-executivo do MCTIC, satélite tem grande importância para a expansão da banda larga e a segurança das comunicações do Brasil.

O equipamento foi apresentado a uma comitiva do governo brasileiro em Cannes, no sul da França, onde fica a sede da Thales Alenia Space (TAS), empresa fornecedora do satélite.

O primeiro Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas (SGDC) do Brasil está pronto e deverá ser lançado no dia 21 de março de 2017. O equipamento foi apresentado a uma comitiva do governo brasileiro na quinta-feira (1º), em Cannes, no sul da França, onde fica a sede da Thales Alenia Space (TAS), empresa fornecedora do satélite. O secretário-executivo do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Elton Zacarias, que integra a comitiva junto com o presidente da Telebras, Antonio Loss e o ministro da Defesa, Raul Jungmann, destacou a importância do satélite para levar banda larga às áreas remotas do país e também para as comunicações de defesa do Brasil. O projeto é uma parceria entre o MCTIC e o Ministério da Defesa, com investimentos da ordem de R$ 2,1 bilhões.

Nos próximos dias, o satélite começará a ser embalado para o transporte até a base de Kourou, na Guiana Francesa. A previsão é que o equipamento seja colocado em órbita a bordo do foguete Ariane-5, em março do próximo ano. O satélite, de 5,8 toneladas e 5 metros de altura, ficará posicionado a uma distância de 36 mil quilômetros da superfície da Terra, cobrindo o território brasileiro e o Oceano Atlântico.

Segurança

Segundo o secretário Elton Zacarias, a visita à empresa Thales Alenia Space incluiu uma apresentação sobre o satélite geoestacionário e a participação de técnicos brasileiros na troca de experiências tecnológicas. O grupo, explicou Zacarias, teve a oportunidade de conhecer as instalações e o potencial da empresa responsável pela construção do equipamento. “Ver toda a estrutura envolvida dá mais segurança para que o satélite consiga atender às expectativas do governo, que fez um alto investimento”, disse o secretário.

O Satélite Geoestácionário de Defesa e Comunicações Estratégicas começou a ser construído em janeiro de 2014. A montagem do equipamento ficou a cargo da empresa francesa sob contrato com a Visiona, uma joint venture formada pela Telebras – estatal federal do setor de telecomunicações – e a Embraer – empresa privada dos setores aeroespacial e de defesa. O projeto prevê a transferência de tecnologia e a capacitação de técnicos de diversos órgãos do governo brasileiro.

Nos últimos meses, o satélite passou pela fase final de testes na França. Foi testado o sistema de telecomunicações e de telecomando, que simula as condições de transmissão das antenas. Os profissionais que vão operar o artefato estão na última fase de treinamentos. Foram mais de dois anos de preparação. A partir de janeiro de 2017, cerca de 60 profissionais, militares das Forças Armadas e funcionários da Telebras usarão simuladores para testar a operação do satélite.

O equipamento vai operar nas bandas X e Ka. A primeira é uma faixa de frequência destinada exclusivamente ao uso militar, correspondendo a 30% da capacidade total do satélite. Já a banda Ka, que representa 70%, será usada para ampliar a oferta de banda larga pela Telebras. A vida útil do SGDC está estimada em 18 anos.

Fonte: MCTIC

Registrado em: Defesa Inclusão Digital defesa banda larga satélite geoestacionário de defesa e comunicação (sgdc)