QUEBRA DE RECORDE OLÍMPICO
Publicado em: Brasília, 18 de março de 2013

O atleta alemão Wojtek Czyz correu com uma prótese de perna desenvolvida com tecnologia espacial e estabeleceu um novo recorde mundial nos Jogos Paraolímpicos de 2008 em Beijing, na China, alcançando espantosos 6,5 m e batendo o recorde mundial anterior.   Em 2004, o Programa de Transferência Tecnológica (TTP) da Agência Espacial Europeia (ESA), juntamente com a MST Aerospace reuniram-se com Wojtek Czyz para avaliar os elementos principais de sua prótese. Tendo perdido a sua perna esquerda três anos antes num acidente esportivo, ele usa atualmente prótese em duas modalidades de atletismo: salto em distância e corrida. “O objetivo foi descobrir como melhorar o seu desempenho. Descobrimos que o problema mais importante estava relacionado com o ângulo de ligação – o chamado suporte em L – entre a articulação do joelho e o módulo do pé”, explicou o Dr Werner Dupont, diretor-geral da MST Aerospace.   Segundo ele, “em colaboração com a empresa alemã Isatec, desenvolveu-se um novo suporte em L utilizando materiais resultantes do Espectômetro Magnético Alfa (AMS), um instrumento que será montado na ISS para estudar material extra-terrestre e anti-matéria”. A vantagem dos materiais espaciais é serem extremamente fortes e, ao mesmo tempo, mais leves que os produtos convencionais. O problema da prótese anterior de Czyz era a sua tendência para quebrar quando o atleta desenvolvia o máximo de sua capacidade.   Nos Jogos Paraolímpicos em Atenas, Czyz competiu com uma prótese de perna desenvolvida com tecnologia espacial e ganhou as corridas dos 100 m e 200 m e o salto em distância.   No seguimento deste sucesso, a MST e a Isatec – especialista em materiais leves – continuaram a trabalhar na melhoria da prótese. Um módulo de peça única, em plástico reforçado com fibras de carbono, provou ser a melhor solução para a prótese de corrida, enquanto que o design anterior com um suporte em L e um módulo do pé era mais eficaz para o salto em distância. “Melhoramos primeiro a prótese para a corrida e depois a prótese para o salto. Este último desenvolvimento revelou-se um grande sucesso nos Jogos Paraolímpicos de 2008 e ajudou Wojtek Czyz a bater o recorde mundial por incríveis 27 cm”, prossegue Dupont. A utilização de materiais espaciais mais leves e extremamente resistentes em novas próteses para atletas de alta competição deu mais uma vez os seus frutos em Beijing. O Programa de Transferência Tecnológica da Esa (TTP) e a sua rede de agentes tecnológicos facilitam a utilização da tecnologia especial em aplicações não espaciais, demonstrando os benefícios do programa especial europeu para os cidadãos.

Imagens: MST Aerospace / ESA