PROJETO SARA TESTA SEU SISTEMA DE PÁRA-QUEDAS
Publicado em: Brasília, 21 de dezembro de 2011

Brasília, 21 de dezembro de 2011  – Em 16 de dezembro de 2011, integrantes da Divisão de Ensaios do IAE (AIE) em conjunto com a equipe do Projeto Sara, com apoio  da Divisão de Mecânica e de representantes das empresas CENIC e Orbital realizaram com sucesso o ensaio de qualificação do Sistema de  Recuperação do veículo Sara Suborbital. O teste foi realizado no  interior do Prédio de Integração de Lançadores (PIL), que reunia as  condições adequadas de altura para o desdobramento dos pára-quedas, e  foi monitorado por um sistema de filmagem de alta velocidade.

 O responsável pelo ensaio, o Eng. Claudinei (AIE), avaliou o evento da seguinte forma: “- A proposta de um ensaio de abertura dinâmica dentro de um prédio foi  algo inédito, nunca tentado antes no IAE, o que sempre gera grande apreensão quanto aos resultados. Assim, além da qualificação do sistema  de pára-quedas, também o ensaio estava sendo qualificado. Como fatores  complicadores adicionais tinha-se a utilização de um dispositivo de alta  pressão e a alta energia do dispositivo de liberação, o que nos obrigou  a envolver o Setor de Segurança do instituto. Felizmente, o ensaio  correu como esperado e valiosas informações foram coletadas para análise”.
O Subsistema de Recuperação é composto por quatro pára-quedas: uma aba  piloto, um pára-quedas de arrasto e dois pára-quedas principais. O  ensaio foi realizado em duas etapas, a primeira envolvendo a aba piloto  e o pára-quedas de arrasto e a segunda produzindo a abertura dos  pára-quedas principais.
O bolsista Breno, membro da equipe Sara que participou do ensaio,  ressaltou o espírito de cooperação entre os participantes: “- Foi um  verdadeiro trabalho de equipe. Todos colaboraram: tivemos que fabricar  dispositivos, mudar a maneira de prender o contrapeso na torre, montar a  iluminação para a filmagem, armar o dispositivo de liberação, dobrar os  pára-quedas, fazer ajustes, verificar todas as condições de segurança.  Não foi fácil, mas tudo funcionou no final”.
Na opinião do Dr. Luís Loures, gerente do projeto, esse foi um grande  fechamento para um ano de muito trabalho: “- É um verdadeiro prazer  chegar ao final do ano com estes resultados, mesmo porque o Sistema de Recuperação, devido à sua natureza, sempre foi o maior desafio do  projeto, tendo convergido literalmente muito mais por ensaios do que por cálculos”.
Com este ensaio, o IAE chega mais próximo à meta de lançamento em 2012,  muito embora estejam previstas algumas repetições do ensaio realizado.  Segundo Loures, isso ocorre devido à influência do fator humano no subsistema: “- As nossas análises de risco revelaram que a maior  probabilidade de falha decorre da ação humana, portanto nós estamos  planejando diversas repetições para verificarmos o funcionamento do  sistema e encaminhar ações corretivas, se necessário. Além disso, os  resultados preliminares do ensaio demonstram que ainda há espaço para um  ajuste no projeto e para o aperfeiçoamento do ensaio propriamente dito”.