PROGRAMA ESPACIAL É TEMA DE DEBATE NA TV CÂMARA
Publicado em: Brasília, 9 de novembro de 2009

A TV Câmara realizou na manhã desta segunda-feira (9) o seminário “Por uma nova política espacial brasileira: realidade ou ficção”, com a participação do presidente da Agência Espacial Brasileira (AEB), Carlos Ganem. O programa, promovido também pelo Conselho de Altos Estudos e Avaliação Tecnológica da Câmara dos Deputados, visava contextualizar o Programa Espacial Brasileiro, dando um panorama sobre seus avanços e necessidades, como por exemplo, recursos humanos e orçamentários, acordos internacionais, entre outros aspectos.
Ganem afirmou a necessidade de se manter o ritmo constante de investimentos, assegurando o crescimento e projetos em andamento, como o Veículo Lançador de Satélites (VLS). “É importante garantir um patamar de recursos que gere resultados a longo prazo”, completou.
Já o deputado federal Rodrigo Rollemberg (PSB/DF), membro da Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática, declarou que o tema precisa ser melhor debatido na Câmara.
“Estamos ampliando a sensibilidade do Congresso Nacional para a questão espacial, até pelo fato de o Conselho de Altos Estudos ter eleito esse tema como prioritário”, comentou.
Para o deputado, a sociedade brasileira precisa reconhecer a relevância estratégica do programa espacial. “Na área da previsão de catástrofes naturais, por exemplo, podemos evitar o sofrimento de milhões de pessoas com o monitoramento por satélites”.
O debate na TV Câmara foi conduzido pelo jornalista André Mileski, editor do blog Panorama Espacial, e ainda com a participação do Major-Brigadeiro-do-Ar Ronaldo Salamone Nunes, vice-diretor do Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA), do pró-reitor de pós-graduação da Unieuro e consultor do programa AEB Escola, Edmilson Costa Filho, do presidente da empresa Opto Eletrônica, Jarbas Castro Neto, e do líder do grupo de desenvolvimento de propulsores espaciais da Coordenadoria de Engenharia e Tecnologia Espacial do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), José Hinckel. texto