PROGRAMA ESPACIAL É DESTAQUE NA SBPC
Publicado em: Brasília, 24 de julho de 2009

Entre os dias 12 e 19 de julho, os visitantes da 61ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) conheceram por meio de exposições, mesas-redondas, conferências e minicursos as atividades do Programa Espacial Brasileiro. A SBPC deste ano aconteceu na Universidade Federal do Amazonas (Ufam), em Manaus e teve como tema “Amazônia, Ciência e Cultura”.

Expotec
As mais de sete mil pessoas que passaram, diariamente, pelo estande do Programa Espacial Brasileiro na SBPC viram de perto maquetes do Veiculo Lançador de Satélites (VLS), do VSB-30, do Satélite Sino-Brasileiro de Recursos Terrestres (Cbers-2), do Satélite de Coleta de Dados (SCD), do foguete Cyclone 4 e da Plataforma de Coleta de Dados Ambientais. Impressa no chão, havia a imagem da região de Manaus, registrada pelo Cbers-2.

Dois professores da rede pública de ensino do Distrito Federal auxiliaram os funcionários da AEB nas explicações mais técnicas sobre foguetes, satélites e suas aplicações. “A paixão pela ciência e pela área espacial é o que me fez viajar até Manaus e dividir meu conhecimento com outras pessoas. Há uma troca de informações. Tudo o que aprendo levo para meus alunos”, contou Marcos Antônio da Silva, professor de Física do Centro Educacional 01 de Planaltina. Segundo Marcos, todos os que visitaram o estande gostaram muito e fizeram muitas perguntas.

“Sem ciência não progredimos e a SBPC produz ciência da melhor qualidade. O estande espacial foi uma surpresa, pois divulga o que temos de mais importante nessa área”, disse o engenheiro agrônomo Wesley de Melo, de 62 anos. Os estudantes do 3º ano do ensino médio, Álvaro Reis e Aline Silva, ambos com 17 anos, gostaram muito de tudo o que viram no estande do Programa Espacial Brasileiro. “Não conhecia a aplicabilidade dos satélites e essa foi a parte que mais me interessou”, conta Álvaro.

Além da Agência Espacial Brasileira, o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) e a binacional Alcântara Cyclone Space (ACS) fizeram parte do estande que tinha, no total, 104 metros quadrados.

O Programa AEB Escola na SBPC Jovem
Simultaneamente à SBPC, aconteceu a SBPC Jovem com programação voltada para estudantes do ensino fundamental e médio. Uma das atrações do evento foi o programa AEB Escola que, com o intuito de incentivar o aprendizado por meio da ciência, apresentou maquetes, oficinas, minicursos, jogos, painéis, entre outros, aos visitantes.

O responsável pelo programa AEB Escola, na SBPC Jovem, José Leonardo Ferreira, conta que muita gente passou pelo estande. “O objetivo final, que é levar a ciência e o programa espacial ao jovem, foi alcançado”, completa. Segundo ele, o Jaci – robô que simula a dificuldade de controle de uma sonda no espaço – foi uma das maiores atrações do espaço.

Outra atividade de grande sucesso foi o lançamento de foguetes feitos de garrafa pet e que utilizam como combustível água e ar comprimido. Os lançamentos aconteceram todos os dias, às 11h e às 17h, em uma área isolada para evitar possíveis acidentes. Todos os foguetes foram resgatados com sucesso após o lançamento.

Todos os dias, minicursos com temas variados foram ministrados para os estudantes. Petrônio Noronha de Souza, chefe do Laboratório de Integração e Testes, falou sobre satélites e seus subsistemas, o engenheiro mecânico José Bezerra Pessoa Filho, do Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE), sobre os 40 anos da chegada do homem à lua e José Leonardo Ferreira, professor sobre as ciências espaciais no ano internacional da Astronomia. “As imagens de satélite e o monitoramento ambiental” foi tema do minicurso ministrado por Elisabete Caria, tecnolo “Mudanças ambientais globais – impactos no Brasil” do de Marcos Sanches e o “Sistema Solar” do de Julio Blanco. “Aprendi várias coisas sobre o sistema solar. As experiências feitas durante a palestra fizeram com que eu entendesse o assunto melhor”, diz Milena Andrade, 14 anos, aluna da Escola Estadual Ana Lúcia de Moraes Costa e Silva.

Os professores que ministraram os minicursos acreditam que o programa AEB Escola é importante na disseminação do conhecimento. “Muitas dessas crianças são carentes de informação. Devemos usar as ciências espaciais como um motivador ao estudo”, diz José Bezerra. “Fazer parte da SBPC é a maior oportunidade de difusão do conhecimento científico para a sociedade”, completa Elisabete Caria.