PRIMEIRO SATÉLITE BRASILEIRO COMPLETA 15 ANOS EM OPERAÇÃO
Publicado em: Brasília, 5 de agosto de 2008

Primeiro satélite projetado, construído e operado pelo Instituto Nacional de Pesquisas
Espaciais (INPE), o SCD-1 completa 15 anos em órbita neste dia 9 de fevereiro.
Quando lançado pelo foguete norte-americano Pegasus, em 1993, a expectativa era
de apenas um ano de vida útil. Contudo, o SCD-1 (Satélite de Coleta de Dados) se
mantém plenamente operacional e retransmitindo informações para a previsão do
tempo e monitoramento das bacias hidrográficas, entre outras aplicações.

“A longevidade do SCD-1 – e também do SCD-2 que completará 10 anos em
outubro – é resultado de uma alta competência tecnológica, do rigor empregado no
projeto e processo de qualificação, tanto no nível de componentes quanto de
subsistemas, e do delicado processo de integração e testes. A esses fatores
soma-se a competência no desenvolvimento dos processos operacionais utilizados
para o controle dos satélites no INPE, e das bem treinadas e eficientes equipes
de operação”, declara Valcir Orlando, do Centro de Rastreio e Controle de
Satélites do INPE.

Em seu 15º aniversário, o satélite completará 79.152 voltas em torno da Terra, tendo percorrido uma distância da ordem de 3.550.000.000 quilômetros, equivalente à realização de 4.665 viagens de ida e volta à Lua.Viajando a uma velocidade orbital da ordem de 27.000 quilômetros por hora, o SCD-1 possui uma órbita circular de aproximadamente 750 km de altitude, com 25 graus de inclinação em relação ao plano do Equador. Nestes 15 anos, os técnicos do INPE executaram 36 manobras de reorientação de seu eixo de rotação, sendo que o satélite recebeu um total de aproximadamente 183.140 telecomandos.

Sistema de coleta de dados

O lançamento do SCD-1 foi o início da operação do Sistema de Coleta de Dados Brasileiro, que consiste de uma rede de satélites em órbita baixa que retransmitem a um centro de missão os dados ambientais recebidos de um grande número de plataformas de coleta de dados espalhadas pelo território nacional. Atualmente, o Sistema de Coleta de Dados é composto pelos satélites SCD-1, SCD-2, CBERS-2 e CBERS-2B, sendo que suas informações são distribuídas a diversas instituições no Brasil e no exterior.

O satélite capta e retransmite os sinais das plataformas
para a estação de recepção e processamento do INPE em Cuiabá (MT) e depois os
dados são transmitidos para a unidade de Cachoeira Paulista (SP), onde ficam à
disposição das empresas e instituições usuárias do sistema. Os dados coletados
pelo satélite SCD-1 são utilizados em diversas aplicações, como previsão de
tempo, estudos sobre correntes oceânicas, marés, química da atmosfera,
planejamento agrícola, entre outras. Uma aplicação de grande relevância é o
monitoramento das bacias hidrográficas, que fornecem dados fluviométricos e
pluviométricos.

As informações são do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais