PRESIDENTE DA AEB MINISTRA PALESTRA NO MARANHÃO
Publicado em: Brasília, 5 de agosto de 2008

O presidente da Agência Espacial Brasileira (AEB), Miguel Henze, esteve em São Luiz (MA), a convite da Fundação de Amparo à Pesquisa e Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Maranhão (FAPEMA), para ministrar palestra sobre o programa espacial. Henze explicou ao público formado por reitores, autoridades do estado, professores, estudantes universitários e alunos secundaristas a importância da existência de políticas voltadas para o desenvolvimento de tecnologia aeroespacial no Brasil e no mundo, e como o Maranhão se insere neste contexto.

Em sua palestra, Henze destacou as principais características de um programa voltado para a realização de pesquisas na área espacial: a evolução constante, o uso de tecnologia avançada, o custo elevado para sua execução e o retorno ao longo prazo. “São necessários dez, quinze ou até vinte anos de investimentos para colher os resultados”, ressaltou.

Para um país de dimensões continentais como o Brasil, a necessidade de ter e administrar de maneira satisfatória um Programa Espacial é ainda mais premente e envolve questões relacionadas ao gerenciamento e uso do solo agrícola e para pastagens, a identificação de focos de desflorestamento e queimadas, o monitoramento dos recursos hídricos e do clima, entre outras atividades que afetam diretamente o bem-estar econômico e social dos brasileiros.

Segundo Miguel Henze, tantas demandas requerem soluções espaciais, pois somente essas são capazes de abranger grandes áreas. Eis aí a necessidade de haver pesquisas que desenvolvam o geoposicionamento, a meteorologia e ciência e estudem a fundo as mudanças climáticas em solo nacional.

O palestrante discorreu também sobre a Política Nacional de Desenvolvimento das Atividades Espaciais, ressaltou seus objetivos que são o desenvolvimento econômico, social, segurança ambiental e a garantia da soberania nacional, e alertou: “É preciso criar e estruturar uma política industrial e é preciso também que o Estado assuma o papel de principal indutor do desenvolvimento espacial e colocá-lo como programa estratégico”. Henze também reafirmou a importância de formar recursos humanos que executem todas essas atividades.

O maior projeto do Governo Federal para a região Norte-Nordeste é a criação do Centro Espacial de Alcântara (CEA). A idéia é que partir dele, além de realizar lançamentos nacionais e comerciais, seja estruturado um pólo industrial e um científico e tecnológico dentro do centro, a fim de gerar emprego, renda e trazer melhorias sócio-econômicas para as comunidades locais.

O Centro de Lançamento de Alcântara (CLA), segundo Henze, deverá se tornar o mais importante espaçoporto da América Latina até 2022.

De acordo com o presidente da AEB, o prazo até 2022, ou seja, de 14 anos, é considerado a meta da Agência e tem como base o planejamento estratégico e a autonomia da tecnologia espacial.

Com informações da Fapema