PRESIDENTE DA AEB APRESENTARÁ O PROGRAMA ESPACIAL BRASILEIRO NA CÂMARA DOS DEPUTADOS
Publicado em: Brasília, 8 de junho de 2009

O Conselho de Altos Estudos e Avaliação Tecnológica da Câmara dos Deputados receberá, amanhã, 29 de abril, às 14h, o presidente da Agência Espacial Brasileira (AEB), Carlos Ganem. Criada em 1994, a AEB é responsável por formular e coordenar a política espacial brasileira. Autarquia federal, vinculada ao Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT), a AEB tem dado continuidade aos esforços empreendidos pelo governo brasileiro, desde 1961, para promover a autonomia do setor espacial.

Economista, Advogado e Administrador de Empresas, com MBA pela COPPEAD/UFRJ, o presidente da Agência, Carlos Ganem, tem exercido funções executivas em empresas públicas e privadas, sendo servidor da Finep, desde dezembro de 1982. Ele apresentará um breve histórico da Agência Espacial, as diretrizes, os objetivos, as metas e os desafios da política espacial brasileira. Ganem deverá, ainda, ressaltar a importância do Programa Espacial para a sociedade, para o governo e para o País. Para isso, fará uma análise entre a relação da política espacial, as políticas externa e industrial, além de elencar os setores que podem ser impactados pelas atividades espaciais.

Sua participação no Conselho – órgão técnico-consultivo responsável pela elaboração de estudos sobre questões de grande relevância nacional – atende aos quesitos de levar a questão espacial aos dignatários da sociedade brasileira.

“É essencial que os parlamentares compreendam a necessidade de investimentos constantes na política espacial brasileira para que se possa alcançar resultados positivos que favorecerão o Brasil no cenário internacional, financeiro e social”, afirma o presidente.

Outras duas reuniões relativas ao tema espacial foram realizadas no âmbito do Conselho.
Gilberto Câmara Neto, diretor do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) foi recebido no dia 18 de março de 2009 e falou sobre o programa de Cooperação Tecnológica entre Brasil e China para a construção de satélites, seus benefícios sociais, econômicos e institucionais e sua importância como modelo de cooperação internacional.

A segunda reunião, ocorrida no dia 15 de abril, contou com a presença do diretor-geral da empresa binacional Alcântara Cyclone Space (ACS) e ex-ministro da Ciência e Tecnologia, Roberto Amaral. Ele fez um relato pormenorizado sobre os problemas enfrentados para a continuidade do projeto na base de Alcântara (MA) e destacou que o sítio oferece as condições ideais para o lançamento de foguetes: “Nós temos o melhor sítio do mundo para lançamentos espaciais. Essa localização faz com que qualquer foguete lançado entre em órbita rapidamente, o que representa uma economia de 30% de combustível”. Roberto Amaral afirmou, ainda, que o programa espacial é imprescindível para dar autonomia ao Brasil na área de lançamento de satélites: “Se nós não tivermos os nossos satélites, teremos que alugar de outros”.