Notícias

Eclipse lunar total e oposição de Marte serão visíveis no céu do Brasil no final do mês

Publicado em: 13/07/2018 17h17 Última modificação: 20/07/2018 17h18

O final do mês de julho será especialmente diferenciado no que se refere a fenômenos celestes que despertam o interesse e a curiosidade de todos. No dia (27.07), o céu estará tomado por um eclipse lunar total, considerado o mais longo do século, seguido pela oposição de Marte no dia (31.07).

Os eclipses lunares ocorrem duas a três vezes ao ano, sendo o esperado para o final de julho o segundo e último de 2018. Já a oposição de Marte ocorre a cada 26 meses, quando a Terra fica entre esse planeta e o Sol, e pode ser o ponto mais perto do Sol (periélio) ou mais longe do Sol (afélio), vai depender da maior proximidade ou distância entre Marte e o Sol.

Eclipses lunares atraem a atenção de especialistas da alta atmosfera, já que o grau de escurecimento do disco lunar está associado à presença de poeira e partículas em suspensão causada por erupções vulcânicas. O grau de escurecimento do disco lunar é medido pela escala Danjon, que vai de 0 a 4, sendo 0 os eclipses mais escuros e 4, os mais brilhantes.

Esses fenômenos ocorrem com o desaparecimento momentâneo da Lua em virtude do posicionamento da Terra entre esse satélite e o Sol. Como a órbita da Lua tem inclinação de 5 graus em relação às órbitas da Terra e do Sol, a incidência anual desses eventos é baixa. Embora não tenha sido visível no Brasil na sua primeira ocorrência em 2018, o eclipse de julho contemplará toda a América do Sul, sendo perceptível também na África, Ásia, Austrália e Europa.

Duração do eclipse

Segundo o tecnologista da Agência Espacial Brasileira (AEB) Ademir Xavier, uma particularidade interessante desse eclipse é que ele terá 100 minutos de duração, uma vez que a Lua se encontrará no apogeu, ponto mais distante da Terra de um corpo em sua órbita, e seguirá uma trajetória aparente que passa pelo centro da projeção da sombra da Terra. O diâmetro aparente da Lua será menor e, combinado ao fato de esse satélite passar próximo ao centro da sombra, isso contribuirá para aumentar a duração do eclipse.

Xavier acrescenta que a Lua será acompanhada pelo planeta Marte, que estará em oposição. Isto porque, visto da Terra, Marte aparecerá no céu do lado oposto ao Sol. O conjunto todo – Lua e Marte – formará uma bela visão próxima ao horizonte oriental. Em situação de oposição, a distância entre a Terra e Marte, cuja média é de quase 228 milhões de quilômetros, diminui para cerca de 56 milhões.

O Brasil é o melhor país nas Américas para se apreciar este fenômeno celeste. Quem estiver na parte oriental (região costeira) terá as melhores condições para visualizar o eclipse. Entretanto, sua duração não será a mesma em todo o território nacional, sendo proporcionalmente menor quanto mais a oeste estiver quem o observa.

Já às 18h, será possível apreciar a Lua eclipsada em sua fase final, sem muita influência do Sol, que terá acabado de se pôr a oeste. Para um observador de Brasília-DF, a sombra da Terra sairá do disco lunar por volta das 19h10. Finalmente, ela estará completamente livre por volta das 20h28, quando o eclipse se encerra.

Informações gerais

• Tipo: eclipse total da Lua
• Data: 27 de julho de 2018
• Melhor ponto de observação na Terra: as longitudes equivalentes às da ilha de Madagascar serão as melhores localidades para se observar o fenômeno
• Horário: início da noite até aproximadamente 20h30.

 

Colaboração: Ademir Xavier, tecnologista da AEB.

Foto: Reprodução da internet

Coordenação de Comunicação Social – CCS

Registrado em:
Assunto(s):
Voltar para o topo