DIRETORES DO CTA APRESENTAM ENCAMINHAMENTOS DO PROJETO DO VLS
Publicado em: Brasília, 5 de agosto de 2008

O presidente da Agência Espacial Brasileira (AEB), Carlos Ganem, recebeu nessa terça-feira (27/05), em Brasília, representantes do Comando-Geral de Tecnologia Aeroespacial (CTA), entre eles, o diretor de Ciência e Tecnologia, Major Brigadeiro Ronaldo Salamone, o sub-diretor de Empreendimentos, Brigadeiro Venâncio Alvarenga Gomes e o diretor do Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE), Coronel Francisco Carlos Melo Pantoja.

Eles vieram apresentar as ações do Veículo Lançador de Satélites (VLS). O Brigadeiro Salamone informou que a previsão de que em 2010 um Mock-up de integração da rede elétrica esteja pronto. De forma leiga, esse equipamento seria a carcaça do foguete, constituída com toda a parte elétrica e pirotécnica. “Para um foguete completo estaria faltando apenas o propelente (combustível)”, explicou. Isso será feito para testar toda a parte elétrica e a integração com a torre de lançamento.

Com todos os testes concluídos, em 2011, poderá ser construído o VLS – VT 01. Esse será completo, porém, com a ignição apenas do quatro motores do primeiro estágio, o acionamento do segundo estágio e a separção com o terceiro, que não deverá ser acionado.

Em mais um ano, com a conclusão dos ensaios dos motores e separação de estágios concluídas, será apresentado o VLS – VT02, que voará completo e levará consigo equipamentos de instrumentações. A partir daí, segundo Salamone, o VLS já estará pronto para colocar um satélite brasileiro em órbita.

Para cumprir esses prazos, porém, Venâncio, chamou atenção para o inicio das obras de conclusão da Torre Móvel de Integração (TMI). Segundo ele, falta a garantia de recursos extras, que foram necessários por conta do tempo que demandou a análise da licitação pelo Tribunal de Contas da União (TCU). “É preciso 22 meses para a construção da TMI. Se não começarmos logo as obras, esse prazos deverão ser estendidos”, afirmou.

O presidente da AEB, Carlos Ganem, disse que a diretoria da Agência está empenhada em tratar dessa questão. “AEB busca um balanço geral das atividades e uma ampla revisão dos empreendimentos espaciais em curso para o alinhamento das visões políticas e definições de prioridades estratégicas, de modo a permitir a integração mais equilibrada das ações de desenvolvimento global do programa espacial brasileiro, a sua sustentabilidade política, tecnológica e econômica, bem como sua repercussão social”.

Ganem anunciou, ainda, uma visita técnica aos dois executores do programa espacial, o CTA e o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) para meados de julho.