DE ONDE VEM TANTA ENERGIA?
Publicado em: Brasília, 22 de setembro de 2008

O presidente da Agência Espacial Brasileira (AEB) , Carlos Ganem, recebeu nessa terça-feira (02/09), em Brasília, o físico Eduardo do Couto e Silva. Ph.D. em física e pesquisador do Laboratório Nacional da Universidade de Stanford (EUA) desde 1999, o brasileiro Eduardo Couto participou da equipe que projetou e construiu o Observatório Fermi – um conjunto de dois telescópios e um painel solar – que foi colocado em um satélite e lançado no espaço no dia 11 de junho deste ano.

Couto explicou que existem telescópios que operam em várias freqüências de energia. Uns podem capturar infra-vermelho, outros ondas de rádio ou raio-x. A função principal do Late, o telescópio principal do Observatório Fermi, é capturar raios gama. “De todas as freqüências emitidas, o raio gama é a mais alta e a única capaz de atravessar a matéria. Ele é também a maior freqüência emitida pelos astros que compõem o universo”, explicou o físico.

O Observatório Fermi terá uma resolução muito melhor do que a de seu antecessor, o Egret que ficou em órbita durante nove anos. “Ele é capaz de captar 100 vezes mais raios gama e completa uma volta ao redor da Terra em 96 minutos”.

A sensação de paz e tranqüilidade que a maioria das pessoas sentem quando admiram, à noite, um céu cheio de estrelas, é pura ilusão, garante o pesquisador. “No espaço acontecem explosões cósmicas o todo tempo, com elevadas temperaturas, campos magnéticos inimagináveis e aceleração de partículas. Existem certas explosões cósmicas muito poderosas, equivalentes à energia do sol durante sua existência. Acreditamos que essas explosões podem ser a origem de um buraco negro”, disse. Por outro lado, os processos de conversão de energia ao redor de buracos negros são mais poderosos do que explosões nucleares.

A importância do Obsertório Fermi está justamente aí. Ajudar os homens a entender de onde surge tanta energia, para onde ela vai, como ela se propaga. O projeto que uniu a física de partículas e a astrofísica, foi desenvolvido por cinco países (França, Itália, EUA, Japão e Suécia). Eduardo do Couto foi o respónsável pelo Centro de Operações Científicas do telescópio principal.