Notícias

Brasil terá satélite totalmente desenvolvido pela indústria brasileira

Publicado em: 25/05/2018 16h24 Última modificação: 12/06/2018 11h47

Os resultados das discussões com as instituições de fomento do País, no 1º Fórum da Indústria Espacial Brasileira, promovido pela Agência Espacial Brasileira (AEB), em novembro de 2017, em São José dos Campos (SP), contribuíram muito para um acordo que culminou no projeto-piloto de um satélite a ser desenvolvido totalmente pela indústria brasileira.

O contrato foi assinado pela Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação (Embrapii), o Instituto Senai de Inovação de Florianópolis (SC) e a empresa Visiona Tecnologia Espacial, joint venture da Telebrás. O programa está orçado em R$ 7,8 milhões, dos quais R$ 2,6 milhões serão financiados sem reembolso pela Embrapii.

Com 11 quilos, o microssatélite contará com um subsistema ainda não totalmente desenvolvido pelo Brasil, denominado Sistema de Controle de Atitude e Órbita (AOCS), um rádio reconfigurável e uma pequena câmera de observação da Terra. As três tecnologias serão validadas em órbita com o lançamento do microssatélite, previsto para acontecer daqui a 18 meses.

Iniciativa ousada

Segundo o presidente da AEB, José Raimundo Braga Coelho, foi feito um grande investimento para que o software fosse desenvolvido aqui no País, testado em voo e qualificado para ser utilizado em outros satélites. “Todo esse processo representa iniciativa de uma empresa brasileira que atua na área espacial, e demonstra uma atitude empresarial ousada que vai ajudá-la a se qualificar e se destacar no setor espacial”.

Para o diretor de Satélites, Aplicações de Desenvolvimento da AEB, Carlos Gurgel, “o desenvolvimento desse satélite contribuirá para a consolidação de uma empresa integradora de satélites no Brasil”. Já o diretor de Tecnologia Espacial da Visiona, Himilcon Carvalho, ressaltou que esse satélite promoverá uma grande evolução na autonomia tecnológica do País.

Segunda edição do Fórum da Indústria Espacial

As oportunidades identificadas no Fórum da Indústria Espacial, de acordo com o presidente da AEB, estão surtindo efeito, e, com certeza, irão impulsionar ainda mais o setor em agosto deste ano, quando acontecerá a 2ª edição do Fórum da Indústria Espacial, organizado pela AEB, em parceria com a Associação Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) e o Parque Tecnológico São José dos Campos (SP).

Tudo isso reforça a importância da aproximação do governo com as indústrias e o setor acadêmico. “São em momentos como esses que as relações se estreitam e surgem grandes projetos, como esse firmado com a Embrapii/Senai”, concluiu José Raimundo.

Coordenação de Comunicação Social

Registrado em:
Assunto(s):
Voltar para o topo