Notícias

Agências assinam acordo para rastreamento de veículos espaciais

Publicado em: 10/01/2019 17h41 Última modificação: 10/01/2019 17h50

As agências Espacial Brasileira (AEB) e a Espacial Europeia (ESA) assinaram, no dia 19 de dezembro, o novo acordo para a utilização de meios de rastreamento e de telemedidas de veículos espaciais em território brasileiro. A cerimônia de assinatura aconteceu no Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (CLBI), em Parnamirim (RN).

O acordo, assinado pelo presidente da AEB, José Raimundo Braga Coelho e pelo diretor da ESA, Daniel Beat Neuenschwander, busca contemplar a realização de rastreamento e telemedidas de lançamentos dos foguetes Ariane, Vega e Soyuz a partir de Kourou, na Guiana Francesa, pelo CLBI. Também foram atualizados alguns pontos da parceria que precisavam ser reavaliados devido ao aprofundamento da cooperação entre as partes envolvidas.

A parceria entre as duas agências permite maior visibilidade do Programa Espacial Brasileiro e demonstra a capacidade de o Brasil atuar em parceria com outros países, além de fazer rastreio preciso de objetos espaciais. O acordo teve início na década de 1970 e passou por diversas modificações ao longo dos anos.

O evento contou com as presenças do diretor do CLBI, o tenente-coronel Fábio Andrade de Almeida, o diretor de Transporte Espacial e Licenciamento da AEB, Brigadeiro Rogério Luiz Veríssimo, a chefe do Gabinete de Relações com o Cliente, Estratégia e Relações com o Cliente e direção de Transportes Espaciais, Catherine Elisabeth Baudin, o Diretor de Transporte Espacial da ESA, Davide Nicolini, e a responsável pelo Departamento de Relações Externas da ESA, Anabela Pires Fonseca.

Parceria

O primeiro acordo do governo brasileiro com a ESA para realizar atividades de rastreamento e telemedidas no Brasil foi assinado em 1977. O governo brasileiro, representado na época pela Comissão Brasileira de Atividades Espaciais (COBAE) e pela ESA renovaram o acordo em 1994 e incluíram a utilização das instalações do CLBI para o Programa Ariane.

O acordo seria encerrado em 2002, mas continuou em vigor por intermédio de troca de Notas Diplomáticas. A troca de Notas de 2011 recebeu emendas e passou a incluir os lançadores Vega e Soyuz, que, partindo de Kourou, passaram a ser, juntamente com o Ariane, rastreados pelo CLBI. A última troca de Notas ocorreu em 2014, prorrogando o acordo por mais cinco anos, ou seja, sua validade expiraria em 2019.

WhatsApp Image 2019-01-02 At 22.15.13

Fotos: CLBI

Coordenação de Comunicação Social – CCS

Registrado em:
Assunto(s):
Voltar para o topo